8 de outubro de 2011

Sede


Imagem retirada da Internet

Bebeste um pouco de mim
Despida e serena
Com a sede do sonho
Numa noite tão pequena...

Enfim...
Foi só um pouco de mim

As mãos inquietas
Profanaram a escuridão da noite
Um instante, olhar negro
Foi só um pouco de mim...

Na sombra transparente
Da noite que se esfumava
A cortina prateada caiu
Libertando os trilhos do teu corpo
Então bebi um pouco de ti...
E morri.

12 comentários:

  1. Olá Dário.

    Vim agradecer e retribuir a visita.
    Volta sempre.
    BEijinhos e bom Domingo.

    Beu, a Ruiva

    ResponderEliminar
  2. Gostei muito, aproveito para deixar o endereço do meu blog:
    http://viagemsemretorno.blogspot.com/

    ResponderEliminar
  3. Oi Dário,

    Lindo teu poema!
    E sede de mais, demais...
    Não pare de escrever não, há tanto sentimento em tuas palavras. Gostei muito.
    " Acordar o silêncio" é lindo".

    Beijo meu

    ResponderEliminar
  4. Adorei cada palavra, com muito sentimento e muito sensual.

    Enfim um pouco de mim...

    Bjstos

    ResponderEliminar
  5. Aprecio esta intensidade de palavras para descrever o desejo, e os momentos vividos, nota-se entrega e paixão.

    ResponderEliminar