11 de abril de 2018


Naquele infinito abraço, um pingo de chuva cai sobre nós. E outro. E mais um. O primeiro impulso seria de correr, nos abrigar; mas aquele abraço teimava em não querer acabar. E ali, nossas roupas e nossos corpos completamente encharcados… mas tão quentes do nosso calor. Dizem que os sentimentos aquecem, e nós éramos uma prova disso. Despimo-nos, e nossos corpos agora nus, aguados, voltaram para aquele abraço. O nosso calor era ainda mais forte, e sentíamos como se fossemos aquelas duas peças perfeitas dum enorme puzzle.
A chuva não parava de cair, e nossos corpos cada vez mais quentes! Nossos lábios molhados, mas sedentos, colaram-se como dois ímanes, e saborearam o paladar do que sentíamos. Sorrimos, e naquele contínuo beijo, iniciamos uma dança, como se uma melodia ecoasse nas nossas mentes possuídas de terna magia. Havia uma consonância perfeita, afinal era o nosso amor, como chama ardente incendiando nossas almas!
E porque também somos feitos de carne, desejos lascivos começaram a surgir. E assim, naquela noite pluvial, emancipamos harmonicamente o momento extasiante. Os pingos de chuva se misturaram com suor, e gritos e gemidos eram os trovões da noite.
E já com o dia a clarear, sem sabermos sequer quanto tempo passou, pois o melhor tempo passado é aquele que não é contado; continuávamos abraçados. Já não havia chuva a cair do céu… mas choveu uma lágrima dos teus olhos quando te olhei profundamente e prometi que iria amar-te mais e mais a cada amanhecer…


7 de julho de 2014

A carta que nunca lerás #6



Minha vida,

Custa-me vasculhar-te nas minhas memórias mais profundas, porque a tua ausência continua a lacerar este coração que foi, é, e sempre será teu. Mas preciso vasculhar-te, porque continuo a viver de ti, de nós. Lembrei-me de quando me dizias o quanto me adoravas simplesmente pela maneira como tocavas no meu corpo. Sabes, não era só o teu abraço que era o melhor do mundo. O teu toque também era o melhor do mundo. Às vezes sozinho, deitado entre os nossos lençóis, ainda sinto esse teu toque e quero acreditar que estás ali, que uma parte de ti nunca partiu. E viajo até ao princípio da felicidade. Até ao início de ti. Lembro-me da altura em que nos conhecíamos. De quando dizias que eu era muito para ti. Como eras tão parvinha. Não percebias que valias muito mais do que aquilo que pensavas que valias. Não tinhas noção da mulher maravilhosa que eras, com essa tua simplicidade e genuinidade. Como tenho saudades tuas meu amor, como ainda te amo tanto! Eras um vício saudável e maravilhoso; quanto mais eu te abraçava, mas queria os teus abraços, quanto mais eu te beijava, mais queria os teus beijos, quanto mais eu te olhava, mais eu me encantava. E estas paredes hoje guardam todos os nossos segredos, testemunhas dum amor intemporal, que nem as mais belas palavras conseguem descrever a sua plenitude, o seu esplendor. Sabes querida, na conversa com amigos, falava-se no que se faria se ganhássemos o euromilhões. E pensei para mim… eu já ganhei mais que o euromilhões. Ter-te a amar-me da maneira que me amaste ultrapassa isso. Foram momentos maravilhosos ao teu lado que valem mais que todo o dinheiro do mundo. Por isso quero agradecer-te por me teres feito o homem mais rico do mundo. E porque não há outro sentido na minha vida, digo-te que continuo a amar-te e que para sempre amar-te-ei…