3 de outubro de 2011

Na tua ausência, existes em mim!

Imagem retirada da Internet

      Eras tu minha doce e frágil borboleta, passaste por mim como o vento passa entre as folhas. Não nos falamos, não nos tocamos, mas eu senti-te. Senti-te tão cá dentro que o mundo pareceu pequeno na palma da minha mão. Meus lábios prisioneiros de uma vontade beijam a brisa que de ti se faz. Eles chamam pelos teus como as plantas chamam pela água nos tórridos dias de Verão. É insaciável esta sede de ti que dos lábios contamina todo meu ser. Meu corpo está sedento de cada pedacinho teu, de cada pormenor de todo teu ser interior. Deslumbrante. Amo-te assim. 
      Esta noite quero que sejamos só nós dois. Uma noite inteira e plena. Quero que as tuas mãos percorram o meu corpo desnudo de medos, de preconceitos, de roupas. Quero sentir o teu corpo no meu, numa cerimónia de amor, beijada pelo silêncio, ao som da musicalidade dos nossos corpos encaixados no sagrado. Quero que me brindes com esse olhar que tantos sorrisos me fez nascer. Quero esse olhar quente de desejo, de prazer, quero recordar muitas noites onde percorremos mundos de loucura, viajando e regressando nas asas do sonho, sempre com mais vontade de voltar a viajar. Quero. 
       Quero sentir novamente o ritmo dos nossos corações descompassados. Quero o suave toque de tuas mãos, deslizando no meu peito. Quero sentir a tua pele na minha boca, quero o sabor da tua saliva na minha língua, quero os teus cabelos acariciando delicadamente minha face, quero que me beijes o pescoço com toques subtis, fazendo-me enlouquecer de desejo, para então possuir-te completamente, como leão feroz, minha leoa indomável, insaciável.
      Só tu sabes tirar-me do sério e conhecer o louco que há em mim. Sabes bem o que gosto; sabes como gosto, na medida certa. Parece tudo tão simples, quando sabemos o momento certo para uma carícia, para um beijo, para um toque, para um movimento, para um abraço, para um sussurro, para um olhar, para uma dentada, para um aperto. Parece tudo tão simples, e nessa simplicidade chegar ao êxtase é lindo. Lindo demais para poder ser escrito como recordação...
 

19 comentários:

  1. Agradeço sugestões para um título... Obrigado...

    ResponderEliminar
  2. Na primeira linha, é passaste e não passas-te.
    Na primeira linha do último parágrafo colocaste "...que há me mim." quando querias dizer "...que há em mim." Se não conseguires apagar o meu comentário avisa para eu apagar depois ;)

    ResponderEliminar
  3. Tens razão. Corrigido. Tens de me mandar o teu e-mail, para enviar-te os textos antes de colocar no blog para reveres.

    ResponderEliminar
  4. Muito obrigada...
    Também gostei muito do teu, continuarei, também te vou seguir :)

    ResponderEliminar
  5. "Na tua ausência, existes em mim!"

    Muito bonito! Intenso!
    Um equilíbrio entre um sentimento de alma e um sentimento carnal.
    Sortuda esta borboleta! :)

    ResponderEliminar
  6. texto belo, dário, cada vez amo mais estes poemas $:
    expressa tão bem, o amor, assim belo.
    - beijinho, sarie. :)

    ResponderEliminar
  7. Oi gostei muito, profundamente intenso!!!

    Abraços.

    ResponderEliminar
  8. Belo texto, intenso e muito bem expressivo.
    "Sabes como eu gosto na medida certa"
    Adorei.

    Bjs

    ResponderEliminar
  9. Lindo demais para não visitar ;)
    Muito bom. Continua!

    ResponderEliminar
  10. Quero agradecer todos os comentários, é bom saber que apreciam a nossa escrita. Tento sempre que posso, visitar quem me visita, e ás vezes me surpreendo com muito talento... e aproveito para ter saborosas leituras. Obrigado a todos.

    ResponderEliminar
  11. obrigada por seguires, sigo também.
    a musica é chris medina- what are words

    ResponderEliminar
  12. Obrigado Catarina, a música é linda, e a história por trás da música ainda mais...

    ResponderEliminar
  13. excelente! Adoro a intensidade com que escreves :)

    ResponderEliminar