3 de janeiro de 2012

A carta que nunca lerás #4


Imagem retirada da Internet

Querida,

Hoje respirei-te tanto. Lembrei-me de tantas maneiras em que demonstrei que te amava. Não sei se foi a nostalgia de ter acabado mais um ano repleto de dor e amargura por tua ausência. Mais um ano sem ti... mas continuas a existir em todos os lugares por onde passo. Oiço o som dos teus passos. Meus olhos alertam-se, e corro até à porta. Ninguém. Continuo a ouvir os teus passos. Percebo que não são teus passos mas o bater colossal do meu coração. Talvez penses que sou louco. Mas é verdade, sou um pouco. Esta minha audácia de não deixar-te morrer poderá ser incompreensível, mas acredita, eu preciso de manter-te viva desta forma mesmo depois de te perder, porque é a maneira de não me perder a mim também. Oiço Sin Bandeira, no mesmo sofá onde ouvíamos estas mesmas músicas num íntimo enlaço. Vejo-nos em mim. Tenho na minha face, o melhor e o pior. Um sorriso e uma lágrima. E na minha mão um lápis que forma estas palavras amenizando a dor, e proclamando a loucura deste meu amor. É assim que os lábios das minhas palavras te beijam…

15 comentários:

  1. Sem palavras... Um dia, se puder ser, gostaria de conhecer esta história...*

    ResponderEliminar
  2. Fantástico, é a única palavra que me ocorre entre milhares que te poderia escrever.

    ResponderEliminar
  3. Podia ser de outra maneira. Mas as escolhas, ou talvez não, fizeram assim. E o beijo castiga-se a ser só em palavras. Quando poderia falar em línguas.
    Foi bom ter postado. Beijo.

    ResponderEliminar
  4. És grande, sabes? Grande. Está maravilhoso, sem palavras.

    Beijinhos

    ResponderEliminar
  5. Mais uma vez, um texto repleto de emoções. Gostei muito.

    ResponderEliminar
  6. São tão difíceis essas cartas!
    Como um desabafo! Sentido!
    Um abraço!

    Juliana

    ResponderEliminar
  7. Olá, parabéns pelo seu blog.
    Te convido a conhecer o meu,
    http://carmasepalavras.blogspot.com/

    ;)

    ResponderEliminar
  8. De sentimentos somos feito.
    Você o é.

    Beijo meu

    ResponderEliminar
  9. Respostas
    1. Pois, o Dário habituo-nos a textos sobre o amor, sempre com muita paixão e intensidade pelo meio.

      Eliminar
  10. Nem sei como cheguei a este blog...mas gostaria de saber quem é vc Dário..de verdade...em uma vida real..pq não conheço homens q se expressam dessa maneira....será que é de verdade ou inventado? Será q suas palavras foram vivídas ou sonhadas? Gostaria de saber!

    ResponderEliminar